Translate

Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

SÉRIE: FIDELIDADE CONJUGAL, COMO MANTÊ-LA SEGUNDO A VISÃO DE DEUS!

                                                                      2ª Parte
                                                 





“A mulher não tem poder sobre o próprio corpo, e sim o marido; e semelhantemente o marido não tem poder sobre o seu corpo, e sim a mulher.” (1ª Coríntios 7:4)

3. Atrelada ou somada à esta verdade,  podemos considerar a palavra de Paulo aos Efésios: “Porque o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, sendo este mesmo o salvador do corpo.... Porque ninguém jamais odiou  a própria carne; antes a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com a igreja; porque somos membros do seu corpo. Eis porque deixará o homem a seu pai e à sua mãe e se unirá à sua mulher, e serão os dois uma só carne.” (Efésios 5:23,31) Então é isto que lemos, o marido é o cabeça da mulher como Cristo é o cabeça da igreja. Sabendo que se alguém é cabeça só pode ser a cabeça de um corpo, porque toda cabeça tem um corpo, e se Cristo é o cabeça, a igreja é o corpo; se o homem é o cabeça, a mulher é o corpo. Como a cabeça e o corpo de alguém têm apenas um DNA, então ambos são a mesma coisa, quer dizer, cabeça e corpo são da mesma essência, logo, a cabeça é o corpo e o corpo é a cabeça. Isso significa que a esposa é do marido e o marido da esposa. 
O texto, ainda reforça esta verdade, quando fala sobre o fato de que alguém não aborrece, ou não odeia a própria carne. 
Assim mais uma vez constatamos, diante de tantas evidências da palavra que marido e mulher é uma relação inseparável. Tudo o que estamos apresentando tem a conotação do que é verdade absoluta, a palavra de Deus.
Mesmo diante dos argumentos apresentados alguém poderia questionar se, este poder, não seria só daquele que é o cabeça, visto que corpo não toma decisões, não comanda. Se o marido estiver na prática do adultério, o corpo não pode dar voz de comando. Por isso mesmo, veio a constatação: Marido e mulher são da mesma essência, pois são apenas um. Cristo e a igreja, são da mesma essência, são um. Por isso, o próprio Jesus afirmou: “Aquele que crer em mim fará as mesmas obras que eu faço...” 
Então, onde o marido estiver a esposa está, e onde a esposa estiver o marido também estará, e vice-versa, então não dá pra separar um do outro. Esta verdade é muito mais do que retórica, é prática, mesmo que seja muito profunda, mas é assim que Deus fez e vê. 
Quando os cônjuges entendem esta verdade e se apropriam dela, assim é, porque ela é a palavra de Deus. Esta verdade é espiritual? Esta verdade é absoluta, é para todos, mas, principalmente para “ aqueles que nasceram do alto e do espírito”, porque vivem por ela, ou devem viver. Jesus disse, que nós estamos no mundo, mas não pertencemos a ele. Em Cristo nos tornamos semelhantes a ele.  Alguém pode pensar e dizer: Ah, esta verdade é espiritual e não é algo que se possa experimentar conquanto somos corpo, e vivemos neste espaço físico como matéria. Vamos utilizar mais uma vez os ensinos paulinos: “Já estou crucificado com Cristo e vivo não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé, do Filho de Deus...”( Gálatas 2:20) Será que esta carne aí, também é no sentido figurado? Precisamos entender definitivamente, que somos, essencialmente, seres espirituais, alma e corpo foram subjugados ao espírito. O motivo porque há muita derrota entre nós, é porque temos vivido como se fossemos muito mais corpo do que espírito, e porque temos dado muito mais valor ao corpo e a alma, a quem temos dado a direção de nossa vida, este tem sido o nosso fundamento, a vontade da alma tem prevalecido. Para muitos, poderá ser difícil compreender estas verdades apresentadas com este foco.Temos visto e ouvido muitos chamarem determinados textos bíblicos como figura de linguagem. Há muita figura de linguagem na palavra, segundo alguns, então nos perdemos nas mentiras e não conseguimos ver a verdade.
 Para que possamos entender melhor esta questão do espiritual, quero falar de algo que é muito espiritual, mas que tem a haver com o mundo físico, e que parece não ter nada a haver com o que estamos falando acerca de casamento. A ceia do Senhor, Paulo diz que muitos comem e bebem a ceia sem discernir o corpo,  isso trás juízo para si mesmo, “...esta é a razão de haver entre vós muitos doentes e fracos e não poucos que dormem”, ou seja, não poucos que já morreram. Doentes, fracos e muitos que já morreram por tomarem a ceia do seu jeito, ou de qualquer modo. É isso mesmo o que Paulo está dizendo aqui? E ai, será que isto é no sentido figurado? É algo espiritual ou físico? 
Nada na Bíblia está escrito pro forma, nada é superficial, é exatamente aquilo que é, não há sentido figurado na Bíblia. Mesmo as alegorias encontradas em determinados livros da Bíblia, têm uma verdade espiritual inserida ali. É verdade espiritual que faz parte de um universo onde o ser humano é um espírito que tem uma alma e que habita num corpo. Esta palavra entra no mundo espiritual destruindo fortalezas, anulando sofismas, quando marido e/ou mulher, a usam como arma poderosa em Deus. “A palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante que espada de dois gumes, e penetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração. “ (Hebreus 4:12) Deus jamais disse algo que não fosse prático. Ele sabia da guerra estabelecida no Éden, entre o homem e satanás e toda a palavra escriturística deveria conter tudo o que o homem e a mulher deveriam saber para lutar e prevalecer nesta guerra. Deus não tem tempo a perder com coisas sem importância, tudo o que está escrito, foi escrito para que tivéssemos munição para a as armas que usaríamos contra o inimigo. “Assim será a palavra que sair da minha boca: não voltará para mim vazia, mas fará o que me apraz e prosperará naquilo para que foi designada.” (Isaías 55: 11) Sabemos que não podemos pelejar sozinhos, o Senhor dos Exércitos peleja por nós, mas como Ele peleja? Usando sua palavra, que é arma de ataque e de defesa ao mesmo tempo, e quem usa esta arma não são anjos, não é Deus, somos nós, as armas são nossas, o poder é Dele.(2ª Corintios 10:4)
Marido e/ou mulher conhecendo a palavra e aplicando-a em sua vida, e consequentemente em seu casamento, podem ter impedido toda e qualquer atitude destruidora da vida conjugal, como por exemplo,  a infidelidade, como já falei anteriormente.
 Segundo o que o Espírito fala através de Paulo, se eu sou da mesma essência do meu cônjuge, por ser cabeça e corpo ao mesmo tempo, onde meu marido estiver eu estou e vice-versa. Sendo assim o marido ou a mulher só irá onde um ou outro quiser ir, onde seja um lugar adequado para o outro. Até porque somos um só. E a mulher é osso do osso do marido e carne da sua carne.  Esta verdade é algo espiritual, alguém pode dizer, mas nós somos em essência espírito. O corpo é a habitação daquilo que é maior, essência. Quanto a alma, que é a nossa vontade, nossa emoção, nossos sentimentos, está, também, em nível abaixo do que representa o espírito do homem,  e se nascemos de novo, somos comandados por nosso homem interior, que nada mais é do que o nosso espírito. Um cônjuge só colocará os pés onde o outro puder colocá-los, onde seu cônjuge puder ser honrado (a), e aonde Jesus puder ser glorificado. Pois somos da mesma essência dele porque somos seu corpo e ele nossa cabeça. O relacionamento marido e mulher, é a personificação de Cristo-igreja. Quando Paulo nos ensina essas verdades, pelo Espírito, não quer nos mostrar que o relacionamento conjugal é algo espiritual, dá para se ter alguma dúvida?  Veja o que ocorria com Jesus Cristo, aqui na terra, onde andava e pisava, ele glorificava o Pai. Jesus declarou na oração sacerdotal: “Ora todas as minhas coisas são tuas, e as tuas coisas são minhas; e, neles, eu sou glorificado.” (João 17: 10) Deus deseja que tudo o que ele criou o glorifique. Um relacionamento conjugal onde há adultério, infidelidade, desprezo, violência, abuso, mentira, engano, contenda, inimizade, porfia, insubmissão, e falta de amor, tudo o que possa gerar divórcio não o glorifica. E quando entendemos que estes binômios: cabeça-corpo/marido-esposa x cabeça-corpo/Cristo-igreja, tem íntima ligação, é real, e  é a mesma coisa, então saberemos como viver em vitória e vida plena. 
Se usarmos o poder que há nesta verdade, e orarmos esta palavra tomando posse de tudo o que Jesus conquistou na cruz pela igreja, logo por maridos e mulheres, pelo casamento, veremos que irá acontecer o que a palavra diz: “Se permanecerdes em mim e a minha palavra permanecer em vós, pedires o que quiserdes e vos será feito.” (João 15:16) Esta verdade não é figurada, é princípio espiritual para o êxito do relacionamento conjugal. 
Pode-se argumentar sobre o fato de que só a cabeça tem voz de comando, mas se cabeça e corpo são da mesma essência, o comando pode ser geral. Por outro lado, é bom lembrar, que, em se tratando do marido, a mulher pode reivindicar  no lugar do marido o comando de Cristo, que é o cabeça do marido, como diz Paulo,  aos Coríntios. 
Deus tem um desejo incontido de cumprir sua palavra, isso é notório. Assim, Ele se alegra quando seu povo entende o valor daquilo que Ele diz sobre cada item da nossa vida, a fim de que vivamos em triunfo. Foi isso que Paulo disse: “Graças a Deus que em Cristo somos sempre, conduzidos em triunfo e, por meio de nós, manifesta em todo o lugar a fragrância do seu conhecimento.” (2ª Coríntios 2:14) 
Em Cristo e na sua palavra temos a base para que tudo o que ele determinou e conquistou, aconteça.  Cristo é a própria palavra e é nele que está estabelecido todo o princípio de todas as coisas criadas: “Nele foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis...Tudo foi criado por ele por meio dele e para ele...Nele tudo  subsiste. “ (Colossenses 1: 16,17) Se tudo foi feito pra ele, as coisas visíveis e as invisíveis, o casamento está ai implícito, e se tudo subsiste nele, quer dizer está firmado na sua existência,  a existência de Jesus é plena, “Porque aprouve a Deus que nele residisse toda a plenitude.” (Colossenses 1: 19) Logo, tudo fica com as mesmas característica dele. 
Deus por boca do profeta Oseias diz que: “Meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento...” (Oséias 4:6 a) Nossa visão de Deus e de sua palavra é tão superficial que acabamos descrendo daquilo que dizemos acerca da palavra: que é nossa única regra de fé e prática. Sabe qual tem sido o problema da igreja, é que espiritualizamos umas coisas, e as analisamos à luz da Bíblia e outras são colocadas para que cada um as analise a seu bel prazer, ou seja cada caso é um caso.Como assim?
Sujeitemos todos os nossos interesses, relacionamentos, dúvidas, reflexões à luz da palavra de modo profundo e não à mídia, aos conceitos de filosofias, psicologia, sociologia antropologia. Necessitamos de conhecer Deus plenamente. A falta deste conhecimento tem nos levado a não vivermos em triunfo. E, é claro que este conhecimento, como disse antes, não pode ser superficial, por isso, temos que nadar nas águas profundas do rio de Deus para sermos frutíferos. São águas que nunca secarão e por onde elas passam, “...nasce toda a sorte de árvore que dá fruto para se comer; não fenecerá a sua folha, nem faltará o seu fruto;...produzirá novos frutos, porque as suas águas saem do santuário; o seu fruto servirá de alimento, e a sua folha de remédio.” (Ezequiel 47: 12) Somos tão superficiais que podemos achar que questões a respeito do casamento,  como  infidelidade conjugal nada tem a haver com esta questão levantada usando este texto de Ezequiel.  
Paulo sabia que este conhecimento era fundamental para que tudo na nossa vida fosse, exatamente, como Deus projetou que fosse. Assim, Paulo diz aos Coríntios que: “...faço menção de vós em minhas orações, para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de sabedoria e revelação no pleno conhecimento dele, iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes qual é a esperança do seu chamamento, qual  a riqueza da glória da sua herança nos santos e qual a suprema grandeza do seu poder para com os que cremos, segundo a eficácia da força do seu poder; o qual exerceu ele em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos...” (Efésios 1:16-20)
Pela palavra seremos lavados, purificados de toda impureza, de todo lixo dos ensinos teológicos contemporâneos que se baseiam no que é normal para a sociedade moderna, mas que encontram na palavra escriturística a palavra de condenação: Se alguém tirar qualquer coisa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, da cidade santa..." (Apoc.22:19). Portanto, precisamos rever os conceitos que temos ouvido, lido e entendido fora do que foi escrito e validado como palavra de Deus de Gênesis ao Apocalipse.


(continua na próxima postagem)



Denise Malafaia









segunda-feira, 12 de setembro de 2016

SÉRIE: FIDELIDADE CONJUGAL, COMO MANTÊ-LA, SEGUNDO A VISÃO DE DEUS (1ª Parte)


 


“A mulher não tem poder sobre o próprio corpo, e sim o marido; e semelhantemente o marido não tem poder sobre o seu corpo, e sim a mulher.” (1ª Coríntios 7:4)

Quanto o casamento tem sofrido influências, de outros pensamentos que não é o de Deus!
Vivemos um tempo em que tudo se tornou mestre para os casais. Muitas crises encontram os cônjuges, e, o que tem sido, normal é a separação. A maior crise, os maiores motivos de separação tem cada vez mais acontecido, por causa do adultério, a infidelidade conjugal é algo implacável. 
Diante deste quadro calamitoso do crescimento do número de adultério, eu fui para palavra para aprender como, segundo a palavra, um cônjuge pode prevalecer  diante desta ameaça chamada traição, uma possibilidade real de que o seu cônjuge possa praticá-la. 
Quanta revelação eu tive ao me debruçar na verdade da palavra de Deus. Precisamos deixar os outros mestres e os pensamentos que são precedidos pelos, eu acho...de conselheiros de plantão que se baseiam na pobreza das experiências de uma vida sem o Conhecimento, e a falta dele pode levar à destruição. É fundamental irmos para o que Deus tem para dizer. Afinal de contas a visão que conta é a dEle, porque foi Ele quem instituiu o casamento ao criar e juntar homem e mulher para viverem como carne e osso um do outro.
É sobre isso que quero compartilhar aqui nesta e nas próximas postagens. Baseada especialmente no texto mencionado acima, com muitos outros sendo abordados para que haja clareza. Vamos pensar sobre como prevalecer e permanecer na fidelidade conjugal e se houver qualquer suspeita de que o cônjuge esteja vulnerável a essa prática como vencer.
Ao ler o texto, não fica dúvida. Como viver intensamente um relacionamento conjugal debaixo da fidelidade observando o que está escrito?

1. Há uma troca de “poderes”, eu não sou minha e nem meu marido é dele mesmo. O corpo sexual, o desejo sexual é invertido, bem como o poder. A minha vontade não será para mim. Embora esta tenha sido a sentença dada à mulher quanto a sua posição no Éden, conseqüência da queda, esta é a lei que vigora no reino caído. “E à mulher disse Deus: ...e o teu desejo será para o teu marido, e ele te governará.” Mas, agora em Cristo, há uma nova lei: “Tendo, Jesus, cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial removeu-a, inteiramente, encravando-o na cruz;” (Colossenses 2:14) Esta  sentença, foi decretada, no Éden, que dava o desejo, a vontade da mulher para o homem, mas do homem para a mulher, não. Por isso, se entende, do homem caído, viver debaixo deste decreto, o desejo para si próprio, o papel  de detentor da mulher,para os que vivem debaixo desta lei por causa do pecado há vigor desta lei, até mesmo do prazer sexual, bem como do governo déspota que tem caracterizado a figura do homem na sociedade, mas não do homem que nasceu de novo. Todas estas ordenanças foram canceladas para os que estão em Cristo Jesus, “as coisas velhas já passaram”, esta lei caducou. Assim vivemos o tempo de um novo decreto. Então a palavra escrita por Paulo em 1ª Coríntios 7:4 vale para os dois, homem e mulher, que vivem este novo tempo do novo decreto.  
Esta verdade bíblica é a chave para que no casamento, se alcance a plenitude dentro dos propósitos de Deus. 
A manutenção, salvação e plenitude do casamento podem passar por aqui: orando a palavra usando este texto, que é um princípio bíblico, para reivindicar o cumprimento dela, o cônjuge toma posse do que é seu. Este princípio, utilizado em oração de autoridade pode: impedir que, o cônjuge, caia no ato do adultério, ou interromper um processo de adultério; e conduzir um na satisfação do outro plenamente, haverá a consideração pelo outro e suas necessidades como se fosse ele próprio.
O cônjuge que se sentir ameaçado por esta possibilidade, tomará posse, daquilo que lhe pertence, segundo a palavra. No caso, o corpo do marido, é da mulher e vice-versa. Um cônjuge, só fará com seu corpo, o que o outro quiser. Este fato é algo legal, é justo, e Deus cumpre sua justiça, sempre. O marido ou a esposa, conhecendo esta lei, reivindica o cumprimento dela, toma posse e assim será. Bem como para se ter o que deve existir entre o casal, satisfação mútua e plena na relação sexual.


2. A palavra de Deus não se contradiz, e um texto é o contexto do outro em todo e cada assunto. Esta verdade, pode ser melhor entendida quando lemos, sobre a formação do homem e da mulher, e seu casamento  em  Gênesis 2: 21-24: “ Então, o Senhor Deus fez cair pesado sono sobre o homem, e este adormeceu; tomou uma das suas costelas e fechou o lugar com carne. E a costela que o Senhor Deus tomara ao homem transformou-a numa mulher e lha trouxe. E disse o homem: Esta afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne;  chamar-se-á varoa, porquanto do varão foi tirada. Por isso deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois numa só carne.” Vale a pena ressaltar que,  a criação da mulher se esbarra com a data do casamento de ambos. Aqui, vemos esta verdade, ainda mais nítida, pelo fato de ser um: marido e mulher. É algo intrínseco, inseparável, porque a mulher é a carne e o osso do marido. Veja bem, aqui não faz uma comparação, mas afirma que é. O próprio homem, Adão constada isto, e faz esta célebre  declaração: “...Esta afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne...” A procura acabou! Isto é completamente inquestionável.  O cônjuge que conhece esta verdade, que é um decreto de Deus, pode então declará-la, reivindicar o seu cumprimento, tomando posse do seu cumprimento. 

(continua na próxima postagem)

Denise Malafaia

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Somos Princesas e Príncipes do Reino, Temos que Reinar.



“...os que recebem a abundância da graça e o dom da justiça reinarão em vida por meio de um só, Jesus Cristo.” (Romanos 5:17) E, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus;” (Efésios 2:6)

Quando vejo filmes que contam histórias antigas de reis e rainhas, fico maravilhada. Em particular gosto de ver os que contam a história da realeza britânica. Aqueles belos palácios com seus perfeitos jardins. Suas cavalgadas naqueles bosques. Suas lindas festas com aquelas valsas sublimes. Suas lindas carruagens com cavalos de muita beleza. Enfim um cenário tão esplendido, de tanta riqueza, tanta beleza que até parece que a vida daquelas pessoas é perfeita. 

Só que a gente sabe que isso não é verdade, pois afinal de contas, elas são pessoas de carne e osso. Elas são gente. Pessoas com sentimentos, emoções, vontade, como todos os humanos, mas elas têm um grande problema que nós da plebe não temos, não têm privacidade. Elas não podem fazer tudo o que gostariam de fazer. Seus passos, palavras, atitudes são vigiados com exagero por seguranças, mídia. 

Elas não podem ir aonde querem, com quem desejam, nem a hora que querem, assim a vontade delas não é tão delas. Mesmo assim, diante desses impasses, se nos perguntassem se gostaríamos de fazer parte de uma família real, certamente que responderíamos que sim. Só que sabemos que para sermos de uma família real, precisamos ter sangue real. Nascer dela ou ser casado com alguém que faça parte dela. Assim nossas chances são poucas...


Enquanto penso nesse cenário de histórias de reis e rainhas, de príncipes e princesas, e na impossibilidade de que todos fizessem parte da realeza britânica ou, de qualquer outra. 

Vem à minha mente, outra realeza, aquela que transcende à da Terra. Aquela à qual estão subjugados reis e reinos; governantes e governos; dominadores e domínios. Aquela que tem como soberano o Rei dos reis, o Senhor dos senhores. Onde o Rei comanda tudo porque, não só reinos e governos, nações com todos os seus povos, são dele, mas porque o chão em que eles pisam e governam são dele, também. Não só por ser ele o Rei dos reis, e o Senhor dos senhores, mas por ser o criador de todas as coisas que existem, de todo o universo.

“Pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e a s invisíveis, sejam tronos ou soberanias, poderes e autoridades; todas as coisas foram criadas por ele e para ele...” ( Colossenses 1:16)

Além de ser tudo dele, porque ele é o Filho e recebeu tudo como herança do Pai. Assim, Ele não é só o Rei dos reis e o Senhor dos senhores, porque alguém que cria tudo o que há nos céus e na terra, só pode ser Todo Poderoso, logo ele é muito mais, ele é Deus.

Fico pensando em como é o palácio deste Rei, que a princípio, sabemos ser num lugar chamado de céu... será que dá para ser comparado com os que vemos nos filmes? No livro de Apocalipse há uma descrição dele, mas ainda assim, penso que nossa linguagem humana não consegue falar a respeito dele e de tudo o que há nele, nem nossa mente imaginá-lo. 

Só que o que mais me chama a atenção nessa realeza, não é a beleza, a suntuosidade  do palácio, mas a beleza exuberante do seu Rei e das leis deste reino. Pelas leis do seu reino, todos os seres humanos podem fazer parte dele. Não precisamos nos preocupar em que vamos ter que nos casar com ele, mas temos que nascer dele: “Se alguém não nascer de novo, não pode ver o seu reino...quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus...” (João 3:3, 5) 

O sangue que precisa correr em nossas veias é o dele, esse sim é nobre de verdade. Sangue que o Rei derramou por todos os homens e que o usou como moeda de compra. “...não foi mediante ouro e prata que fomos resgatados, comprados...mas pelo precioso sangue de Cristo...” (1ª Pedro 1:18, 19).

Nós estávamos em outro reino, e éramos escravos de um senhor despota. Sem nenhuma chance de liberdade, que dirá de sermos alguma coisa naquele reino. “Ele nos libertou do reino, do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor.” (Colossenses 1 : 13).

Por meio dEle, Jesus Cristo, o Rei dos reis, o Senhor dos Senhores, nós uma vez que aceitamos as leis do seu reino, crendo que ele fez tudo para nos tornar príncipes e princesas, obedecendo o que essas leis determinam, passamos a fazer parte dessa realeza.

Lembrando que tudo isso para nós não custou nada, mas para ele, custou uma entrega total. Uma renuncia total. Ele teve que deixar seu reino deslumbrante, glorioso. Ele teve que ser um de nós.  Ele teve que se colocar na nossa posição, para que nós pudéssemos chegar à dele. Ele teve que morrer não como um Rei, mas como um bandido da pior espécie. Ele morreu por nós, como uma troca, uma substituição, para que pudéssemos ter o mesmo tipo de vida dEle, vida real, para que o seu palácio fosse nosso, a sua herança fosse nossa também.

Assim é que estamos credenciados por Cristo a fazer parte do seu reino, tendo a sua vida de Rei. Paulo diz na sua primeira carta à Timóteo: “ Se já morremos com ele, também com ele reinaremos; se perseverarmos(se não abdicarmos da nossa posição), também com ele reinaremos. (Tim. 2:11, 12) 

Como a obra do Rei foi completa, ele nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais. Sabe o que isso significa? Não apenas que temos agora o sangue real, mas que temos a posição real de autoridade agora também. 

Na hierarquia monárquica aqui na terra quem está assentado ou posicionado à direita do monarca que governa, está na linha de sucessão daquele reino, logo passará a reinar quando quem está no trono parar de reinar por morte ou por qualquer outro impedimento. 

Nós que fomos transportados para o reino de Deus, por Jesus não. Jesus, desde que subiu ao céu foi glorificado já está assentado reinando e, segundo sua palavra através de Paulo, nos fez assentar com ele. O que ele está fazendo agora, senão reinando? 

Queridos, nós não vamos reinar com Ele e por Ele só quando estivermos definitivamente lá no céu, não. Esta promessa é para hoje, agora: “...os que recebem a abundância da graça(salvação) e o dom da justiça (justificação) reinarão em vida por meio de um só, Jesus Cristo.” 

Este é o outro texto que usamos no começo, “reinaremos em vida,  por meio de Jesus Cristo” Se a igreja é o corpo de Cristo, ele só vai reinar se nós, como igreja, tomarmos a posição que ele conquistou por nós e para nós. Nós somos os pés, as pernas, os braços, as mãos, a boca, os olhos, enfim a cabeça comanda o corpo que vai agir governando por ele. Por isso eu disse que o que me chama a atenção neste reino de Deus é a beleza do seu Rei e o poder, a sabedoria, a harmonia das leis que governam esse reino. Salomão disse que: “A palavra do Rei tem autoridade suprema;” (Eclesiastes 8: 4) 

Se é assim que ele diz  eu preciso crer e cumprir sua vontade, e a vontade dele é que reinemos em vida por meio dele.

Não podemos continuar vivendo aqui na terra como se fôssemos do outro reino de onde fomos tirados um dia, onde éramos súditos miseráveis. Na verdade, aquele não era um reino, mas um império, porque vivíamos debaixo da opressão de um senhor mau. Éramos escravos condenados a morte e a destruição eterna. Aonde o rei daquele império  veio para roubar, matar e destruir. 

Não se esqueça, somos aqueles por quem o Rei dos reis, Jesus Cristo vai reinar na Terra. Não podemos continuar a viver como escravos do pecado, do medo, da derrota, do inferno, de satanás. O diabo, o chamado príncipe deste mundo, só reina para quem não entrou no novo reino do Rei dos reis. Nós não somos mais dele. A nossa vida, tudo o que temos, passou a ser parte deste reino, o reino de Jesus Cristo. Nesses lugares só vai acontecer o que ele tiver dito, porque “sua palavra tem autoridade suprema”. Como então, temos vivido como se o tal príncipe, que para nós e em nós já foi derrotado, reinasse?

Nestes termos, nos termos da constituição do reino de Deus, que é a sua palavra, diante de tudo isso que Jesus Cristo, fez por nós, é tempo de tomarmos posição de irmãos do Rei, filhos adotivos do Se Pai . Precisamos viver como quem recebeu a Terra, o Céu e tudo o que neles há por herança, conquistada com o sangue precioso do Filho de Deus. 

Esta terra é nossa, logo os inimigos é que têm que ser destruídos: medo, dúvida, timidez, orgulho, instabilidade emocional, depressão, insegurança, falta de sonhos e de perspectiva, frustrações nos relacionamentos, na vida profissional, tristeza, complexos, aflições nos problemas. Todas essas coisas são inimigos que estão no nosso meio nos impedindo de reinar, num reino que é indestrutível, porque Ele, Jesus Cristo, o fez assim. 

Paulo disse que: “Deus fez Jesus se sentar à sua direita, nos lugares celestiais, acima de todo o principado, e potestade e poder, e domínio... e pôs todas as coisas debaixo dos pés e, para ser o cabeça, o deu à igreja” deu o que? Principados, potestades, os poderes, domínios, tudo o que representava o reino de Satanás nesta terra. 

Agora Jesus tem que reinar. Temos que fazer valer sua vontade, ele quer ser o cabeça, por isso  nos deu, deu à igreja o reino desta terra.

Comecemos pela nossa vida, pela nossa família, pelos nossos negócios, pela vida da igreja... 
Ele espera que reinemos, para que Ele reine. Temos que reinar, porque Ele reina.


Nesta Terra, o único Rei que tem que governar com todo o poder tem que ser ele, o Rei Eterno, Jesus Cristo.


terça-feira, 12 de abril de 2016

QUEM É QUEM?




Eu e Deus na Intimidade


O mundo só conhecerá ao Eterno como verdade e crerá nele, como aquele que cumpre a sua palavra, aconteça o que acontecer, se nós, a igreja de Cristo, crermos mesmo nesta verdade.

Nossa fé e permanência nela, fará toda a diferença para que outros creiam que ele é verdadeiro e sua palavra é exatamente como Ele é. 
Enquanto ficarmos usando a teologia de um Deus distante e que não se manifesta mais sobrenaturalmente, nós estaremos declarando o contrário da Palavra e, nos fazendo verdadeiros e Deus mentiroso.

Não importa o que está acontecendo. Não importam os sinais contrários que estamos vendo: Parece que não tem mais jeito para mim ou, para tal e tal situação que estou vivendo; não vou suportar essa adversidade; vou morrer, vai acabar... Importa saber, ter a certeza de quem é Deus, e a Sua palavra.

Quando é Deus quem promete algo, quando recebemos a palavra específica vinda da Sua boca, assim como Ele disse aos seus discípulos, a Marta e a Maria, no episódio da morte de Lázaro: “Só está dormindo, vamos lá acordá-lo....se creres verás a glória de Deus...ele vai ressuscitar”, então assim será.

O que está morto na nossa vida e que já cheira mal, mesmo já sendo o quarto dia de sepultado? Se o Senhor, que é verdade absoluta, que é, e dá a vida; que age na nossa total impossibilidade, se é Ele quem está falando: “Ele vai ressurgir...” é porque vai acontecer como ele está dizendo, então mantenha a sua fé naquilo que Ele está dizendo.

Não importa se ao olharmos à nossa volta, constatamos com os olhos físicos de que aquilo ou aquela pessoa, está acabada, morta e já cheira mal. Mesmo que todos estejam dizendo a mesma coisa: Acabou, não tem mais jeito, não há mais chance, não há mais esperança... Então é hora de lembrarmos que, Deus e sua palavra são verdadeiros e, todo e qualquer homem que disser algo diferente do que Deus está dizendo, é mentiroso.

Pode até ser difícil se manter crendo após algo estar morto, mas não podemos nos esquecer da obra completa de Cristo, desde a cruz até a sua glorificação a direita do Pai.

Sim, Ele, Jesus, já venceu este inimigo morte, por nós, e a chave da casa da morte, o inferno, está em Suas mãos invencíveis, infalíveis. Então, creia, continue a crer, Ele fará tudo como disse!


Denise Malafaia

sábado, 9 de abril de 2016

SIMPLESMENTE FÉ!



Como é difícil ter fé! Vale lembrar que “a fé vem pelo ouvir e ouvir a palavra de Cristo.” (Romanos 9:17) Logo, a fé é gerada pela palavra no nosso coração, que é exatamente o ouvir. Assim como tudo que veio a existir na Terra quando nada havia. Tudo foi existindo e tomando forma só pelo ouvir a Palavra que saia da boca do Pai, como ordem, isso é que é autoridade, tremendo!!!

“Pela fé entendemos...” a fé é a base de todo o nosso relacionamento com Deus, pois é ela quem nos leva a ter o entendimento de quem Ele é, assim viver nEle. Justamente porque é através dela que nos achegamos a Ele e andamos nEle. Por isso está escrito: “Sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima dele creia que ele existe e creia que ele é galardoador dos que o buscam.” (Hebreus 11:6) Ele 

dá prêmio aos que vivem pela fé nEle, uhuuu!
Só pela fé podemos entender as obras sobrenaturais de Deus. Como o fato de se ter uma nova vida e de que esta nova vida pode me levar a viver na presença do Eterno Deus que é santo, sendo eu um homem pecador, e que então, me torno santo como ele é. Tudo isso vem pela fé. Muito mais do que pensar em viver na presença de Deus aqui neste mundo, e viver esta vida aqui, é pensar que esta mudança radical pode me levar a viver para sempre com Ele, no lugar de sua habitação, em glória total, num corpo que também será sobrenatural. Dá para entender?

Como poderíamos entender algo tão radical para nossa mente humana? Só por meio desta fé que vem por meio da Palavra que fez e, vale a pena lembrar, continua a fazer tudo existir do nada, é que podemos entender que algo tão radical assim possa acontecer.
Isto não é abracadabra, isto é simplesmente fé!

Denise Malafaia

sexta-feira, 8 de abril de 2016

UMA NOVA HISTÓRIA DEUS ESCREVEU PRA MIM.


     

Eu e Deus na Intimidade



"Salmom gerou de Raabe a Boaz; este de Rute gerou a
 Obede; e Obede, a Jessé, Jessé gerou ao rei Davi..." (Rute 4: 13-17)

"Aquele que está em Cristo é uma nova criatura, as coisas velhas já passaram, eis que tudo se fez novo." (1ª Coríntios 5:17)



Quando o Eterno é o Deus da nossa vida; quando Ele passa a dirigir a nossa história; quando eu creio e recebo o que pelo sangue de Yeshua Hamashia isto aconteceu, significa que eu passei pela recriação do calvário, onde fui comprada, lavada e transportada do império das trevas para a maravilhosa luz do Filho de Deus, para o reino do Filho do amor do Pai. 

Então eu posso acreditar que o maior de todos os milagres aconteceu: eu agora faço parte do reino de Deus, e agora eu vivo uma nova história, agora eu tenho a vida do mesmo tipo de Deus Eterno.

Foi ai que começou um relacionamento de intimidade com Papai, de quem agora eu sou filha, sim Ele me trata e me chama: Filha!

Enquanto caminho, conversamos... E nas minhas conversas com Ele, eu entendi, definitivamente, que vivo não mais eu, mas Cristo vive em mim... 

Porque eu vivo uma nova história, não posso retroceder.

Assim como aconteceu com Raabe, que passou pelo mesmo processo, quero gerar filhos para salvação, filhos para reinar em vida por Ele.

Pecado, quem disse que te quero, quem disse que eu quero voltar atras?

Não, não vou perder o fim desta minha história escrita pelo dedo dEle. Esta história escrita não com tinta, mas com o sange do Cordeiro, pelo Espírito do Deus vivente. Uma história de vitória!

Uhuuuuuuu, aleluia Papai, te amo!!!


Denise Malafaia

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

INCONFORMADA!

“E não vos conformeis com este mundo...” (Romanos 12: 2)



Observando a trajetória do homem e da mulher, sabemos, não só pelo que a Bíblia diz, mas pelo que vemos, desde que o pecado entrou na natureza humana, ambos perderam a identidade com Deus, ficaram vulneráveis aos reveses da queda, e adoeceram. Não somente a vida humana adoeceu, mas como diz Paulo: “Porque sabemos que toda a criação, a um tempo, geme e suporta angústias até agora.” (Romanos 8:22)
Tudo ficou doente por aqui...
Quando Jesus veio, e fez acontecer os propósitos de Deus de resgatar a identidade do homem e da mulher para que este se parecesse com Ele, e leva-lo de volta para o Pai, deu forma à igreja, como Seu corpo.
Os papéis originais para os quais homem e mulher foram criados, na verdade se perderam em sua essência. O tempo foi passando e o que aconteceu? Será que temos consciência destes papéis, do ponto de vista do que Deus planejou, ou ficamos com os conceitos que surgiram com as culturas das diversas sociedades?
“Fomos transportados do império das trevas para o reino do Filho do amor do Pai.”  Agora somos do reino de Deus, que tem as leis próprias desse reino, que precisam ser cumpridas. A vontade do Rei desse reino está relatada na Palavra que foi escrita, e que nos fala dos planos de Deus. Esta é a única verdade que deveria prevalecer para homens e mulheres na vida da igreja. Esta verdade é absoluta e não pode ser trocada pela verdade que muda de acordo com tempos, povos, costumes e cultura.
          Há uma inversão de valores, que comprometem o exercício diário dessas verdades absolutas, pelas relativas verdades. Como se fosse algo inofensivo, coisas que, se não vivenciadas, aparentemente, não trarão grandes problemas, é o que pensamos...
Na sociedade natural, estas verdades não fazem diferença, pois ela não sabe distingui-las.
Nossas atitudes como igreja, não podem ser alteradas por conta do que é estabelecido no sistema do mundo, que é o império das trevas de onde fomos tirados, onde satanás é o lider. Pois, se fomos transportados de um império de satanás, quando cremos e recebemos a Jesus, nosso Senhor e as leis que temos agora é a desse novo reino.
Para a sociedade cristã, no entanto, no caso da igreja, as coisas mudam de figura. Passam a ter o sentido exato. Deus nos fala através de Salomão que: “Porquanto há uma hora certa de agir, e também uma maneira certa de agir para cada situação; porquanto é grande o sofrimento que pesa sobre o homem.” (Eclesiastes: 8:6). Sendo assim, há uma maneira certa para agir. E quando não agimos dentro dessa maneira, as consequências são inevitáveis. Nós a conhecemos lendo a palavra, que é o único manual fidedigno para a igreja.
Desde a queda do homem, várias coisas têm se perdido neste universo da vida que foi nos dada como presente de Deus. A igreja entrou no meio da roda viva do “isso é assim mesmo”. Acontecimentos que trouxeram uma nova visão para o povo, chamado povo de Deus: a visão do sistema mundial. Foi aí que a igreja começou a caminhar no secularismo, quando o comportamento passou a ser norteado pelas ideologias, pela filosofia, pelos modismos, e nos últimos séculos pela mídia. Ficamos parecidos com o mundo. Deixamos de ser e de viver segundo o que Deus determinou.
Fomos feitos à semelhança de Cristo. Ele é a nossa identidade.
Assim como somos identificados com Cristo, fomos feitos para o mesmo propósito e recebemos a mesma missão dEle. (Isaías 61: 1-4)
Nos perdemos dentro da chamada “igreja”, por conta do secularismo. O mundo entrou dentro de nós. Perdemos a visão de Deus e do Seu reino e da Sua vontade.
        Não conhecemos Deus e nem o que Ele fez por nós: “Errais não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus”, Jesus disse certa vez.
Vivemos dentro da igreja de um sistema religioso viciado, mas a igreja que Deus planejou não vive dentro de nós. Então, isso significa que entramos numa forma errada. Essa não é a forma de Deus, então, de quem será essa forma? A igreja precisa voltar aos precisa voltar à forma original.
O Espírito falou, pela boca do profeta Daniel, algo tremendo: “Aos violadores da aliança ele perverterá, mas o povo que conhece seu Deus se tornará forte e ativo.” (Daniel 11:12) Muitas vezes mencionamos o lado negativo do conhecer Deus, dos registros de Oséias: “O meu povo está sendo destruído porque lhe falta conhecimento...”. (Oséias 4:6) Tanto em Daniel como em Oséias o vocábulo conhecimento tem o mesmo significado, mas em Oséias ele aparece ligado à destruição, aponta o resultado negativo. Prefiro mencionar o que ocorrerá se eu tiver esse conhecimento positivo. Sabe o que isso quer dizer? O conhecimento de Deus é algo que age positivamente. Viveremos vida saudável. Precisamos abrir nossos olhos para o que é a realidade da Palavra de Deus e o que temos vivido como realidade.
Ao contrário do que era para ser, vemos homens e mulheres, famílias inteiras doentes, feridas, destroçadas, mesmo vivendo dentro da igreja. Pessoas que não se sentem felizes, completas... Quantos têm vivido de aparência, vivendo um evangelho sem poder, que até parece inútil... Como, se o evangelho é o poder de Deus para todo aquele que crê? Em quem está o defeito, a culpa...? O que aconteceu conosco?
Estamos doentes. Este é o tempo de cura para a igreja de Cristo, onde tanto mulheres, como homens, independentes de idade e estado civil, precisam de restauração. do renovo que vem pela cura que encontramos apenas na palavra de Deus. Precisamos conhecê-la como revelação, na nossa intimidade.
        É tudo tão simples no plano de Deus para que mulher e homem sejam felizes. Amados, não depende de ter, mas de ser. Não temos apenas Cristo, mas somos, de alguma maneira, Cristo. Daí sermos chamados de cristãos. Somos membros do corpo de Cristo. Sabe o que isso significa? Está tudo à nossa disposição. Ele já fez tudo o que era preciso para que nós pudéssemos ser livres, curados e salvos, e felizes, aleluia!
Como podemos fazer do corpo de Cristo um corpo adoecido, ferido, fragmentado, dilacerado? “Por que continuar a ser castigados? Por que insistirem na revolta? A cabeça toda está ferida, todo o coração está sofrendo. Da sola do pé ao alto da cabeça não há nada são; somente machucados e vergões e ferimentos abertos, que não foram limpos, nem enfaixados, nem tratados com azeite.” (Isaías 1:5,6)
 Como continuamos doentes se temos a cura para as nações?
Não podemos continuar a nos conformar com as coisas como estão: tudo fora do lugar.
A desobediência trouxe a desordem à Terra, e ambas trouxeram a morte.
A ordem de Deus pela boca de Paulo é: Não se conformem, mas se transformem!
 Este é o tempo de mudanças radicais, de obediência, é tempo de tempo de cura, de renovo para a igreja de Cristo, para mulheres e homens.
É tempo de nos adornarmos para a chegada do noivo.

              Denise Malafaia    (Texto extraído do livro: Tal Mãe, Tal Filha de Sara, de minha autoria)







LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...