sábado, 12 de agosto de 2017

Sobre o meu livro: Tal Mãe, Tal Filha de Sara

Depois de muito tempo sem postagem, retorno as postagens, falando aqui sobre o meu livro e, aproveitando para fazer junto a vocês o lançamento dele também.





Este não é um livro de auto- biografia. ou da história sobre o ministério Filhas de Sara, mas dos princípios bíblicos que dão base à essa visão de Deus para a mulher.

Nele, abordo o mais profundo do propósito de Deus para mulher e o que a cerca: quem ela é e para que foi feita.  Pretendo trazer luz à questões que são feitas: Sobre a visão de Deus para as mulheres e sua posição na sociedade. Onde o homem foi colocado no panorama geral do plano divino.
Será que o trabalho feminino deve se limitar à oração, ao serviço social e ao cuidado com os que sofrem?
Quanto ao casamento, e divórcio, erá a vontade de Deus suscetível às mudanças na sociedade?

O princípio bíblico de ser uma filha de Sara é um princípio curador, eu entendi isso estudando a Bíblia. A partir dai fui ouvindo o que o Pai queria que eu e todas as mulheres soubéssemos, através de minhas conversas com o Espirito Santo, que foi me ensinando tudo que esteve oculto, por muitos anos, pra mim em 1ª Pedro 3:6. Todas as vezes que eu compartilhava isso com pastores, pregadores, estudiosos da Bíblia,  e outras mulheres, elas me afirmavam que nunca haviam percebido a profundida da mensagem encerrada nesse texto que poderia direcionar melhor a vida da mulher que nasceu de novo e foi transportada do império das trevas para o Reino do Filho do amor do Pai.

Foi uma grande conquista. Uma marco. Assim quero, hoje,  poder  compartilhar com meus leitores do blog, esse fato tão importante que marcou este ano para mim e para o ministério Filhas de Sara. Vejam algumas fotos do dia do lançamento! 

Muitas mulheres já adquiriram o livro e já estão desfrutando de tudo que ele oferece para edificar suas vidas.
Tomara que cada uma das minhas leitoras, ou quem sabe, leitor, tenha o desejo de adquirir o livro, que tem, também, a finalidade, de ajudar, com parte das vendas para a nossa obra em Guiné-Bissau.

 ´´Grandes coisas fez o Senhor por nós, e por isso estamos alegres...´´



Minha família presente: Minha filha, genro e netos
 
Minha mãe e irmãs
Uma das primeiras filhas de Sara com quem compartilhei pela primeira vez a visão.
 Amigas mais chegadas que irmãs

Minha neta Alice que quis ser a primeira a adquirir o livro
Pastora Cláudia Helena que lidera Filhas de Sara comigo
 Pastora Maria Esther, grande amiga e ministrou a palavra na noite
do lançamento






































Foram vários lançamentos:

                                    Na Criart Gospel Artigos Evangelicos












            





                       Na Igreja Ministério Lado a Lado: 



                                     Pastoras do Ministério Ungidas 6.1















Lider do 6.1: Pastora Valéria de Freitas



quinta-feira, 29 de setembro de 2016

SÉRIE: FIDELIDADE CONJUGAL, COMO MANTÊ-LA SEGUNDO A VISÃO DE DEUS!

                                                                      2ª Parte
                                                 





“A mulher não tem poder sobre o próprio corpo, e sim o marido; e semelhantemente o marido não tem poder sobre o seu corpo, e sim a mulher.” (1ª Coríntios 7:4)

3. Atrelada ou somada à esta verdade,  podemos considerar a palavra de Paulo aos Efésios: “Porque o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, sendo este mesmo o salvador do corpo.... Porque ninguém jamais odiou  a própria carne; antes a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com a igreja; porque somos membros do seu corpo. Eis porque deixará o homem a seu pai e à sua mãe e se unirá à sua mulher, e serão os dois uma só carne.” (Efésios 5:23,31) Então é isto que lemos, o marido é o cabeça da mulher como Cristo é o cabeça da igreja. Sabendo que se alguém é cabeça só pode ser a cabeça de um corpo, porque toda cabeça tem um corpo, e se Cristo é o cabeça, a igreja é o corpo; se o homem é o cabeça, a mulher é o corpo. Como a cabeça e o corpo de alguém têm apenas um DNA, então ambos são a mesma coisa, quer dizer, cabeça e corpo são da mesma essência, logo, a cabeça é o corpo e o corpo é a cabeça. Isso significa que a esposa é do marido e o marido da esposa. 
O texto, ainda reforça esta verdade, quando fala sobre o fato de que alguém não aborrece, ou não odeia a própria carne. 
Assim mais uma vez constatamos, diante de tantas evidências da palavra que marido e mulher é uma relação inseparável. Tudo o que estamos apresentando tem a conotação do que é verdade absoluta, a palavra de Deus.
Mesmo diante dos argumentos apresentados alguém poderia questionar se, este poder, não seria só daquele que é o cabeça, visto que corpo não toma decisões, não comanda. Se o marido estiver na prática do adultério, o corpo não pode dar voz de comando. Por isso mesmo, veio a constatação: Marido e mulher são da mesma essência, pois são apenas um. Cristo e a igreja, são da mesma essência, são um. Por isso, o próprio Jesus afirmou: “Aquele que crer em mim fará as mesmas obras que eu faço...” 
Então, onde o marido estiver a esposa está, e onde a esposa estiver o marido também estará, e vice-versa, então não dá pra separar um do outro. Esta verdade é muito mais do que retórica, é prática, mesmo que seja muito profunda, mas é assim que Deus fez e vê. 
Quando os cônjuges entendem esta verdade e se apropriam dela, assim é, porque ela é a palavra de Deus. Esta verdade é espiritual? Esta verdade é absoluta, é para todos, mas, principalmente para “ aqueles que nasceram do alto e do espírito”, porque vivem por ela, ou devem viver. Jesus disse, que nós estamos no mundo, mas não pertencemos a ele. Em Cristo nos tornamos semelhantes a ele.  Alguém pode pensar e dizer: Ah, esta verdade é espiritual e não é algo que se possa experimentar conquanto somos corpo, e vivemos neste espaço físico como matéria. Vamos utilizar mais uma vez os ensinos paulinos: “Já estou crucificado com Cristo e vivo não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé, do Filho de Deus...”( Gálatas 2:20) Será que esta carne aí, também é no sentido figurado? Precisamos entender definitivamente, que somos, essencialmente, seres espirituais, alma e corpo foram subjugados ao espírito. O motivo porque há muita derrota entre nós, é porque temos vivido como se fossemos muito mais corpo do que espírito, e porque temos dado muito mais valor ao corpo e a alma, a quem temos dado a direção de nossa vida, este tem sido o nosso fundamento, a vontade da alma tem prevalecido. Para muitos, poderá ser difícil compreender estas verdades apresentadas com este foco.Temos visto e ouvido muitos chamarem determinados textos bíblicos como figura de linguagem. Há muita figura de linguagem na palavra, segundo alguns, então nos perdemos nas mentiras e não conseguimos ver a verdade.
 Para que possamos entender melhor esta questão do espiritual, quero falar de algo que é muito espiritual, mas que tem a haver com o mundo físico, e que parece não ter nada a haver com o que estamos falando acerca de casamento. A ceia do Senhor, Paulo diz que muitos comem e bebem a ceia sem discernir o corpo,  isso trás juízo para si mesmo, “...esta é a razão de haver entre vós muitos doentes e fracos e não poucos que dormem”, ou seja, não poucos que já morreram. Doentes, fracos e muitos que já morreram por tomarem a ceia do seu jeito, ou de qualquer modo. É isso mesmo o que Paulo está dizendo aqui? E ai, será que isto é no sentido figurado? É algo espiritual ou físico? 
Nada na Bíblia está escrito pro forma, nada é superficial, é exatamente aquilo que é, não há sentido figurado na Bíblia. Mesmo as alegorias encontradas em determinados livros da Bíblia, têm uma verdade espiritual inserida ali. É verdade espiritual que faz parte de um universo onde o ser humano é um espírito que tem uma alma e que habita num corpo. Esta palavra entra no mundo espiritual destruindo fortalezas, anulando sofismas, quando marido e/ou mulher, a usam como arma poderosa em Deus. “A palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante que espada de dois gumes, e penetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração. “ (Hebreus 4:12) Deus jamais disse algo que não fosse prático. Ele sabia da guerra estabelecida no Éden, entre o homem e satanás e toda a palavra escriturística deveria conter tudo o que o homem e a mulher deveriam saber para lutar e prevalecer nesta guerra. Deus não tem tempo a perder com coisas sem importância, tudo o que está escrito, foi escrito para que tivéssemos munição para a as armas que usaríamos contra o inimigo. “Assim será a palavra que sair da minha boca: não voltará para mim vazia, mas fará o que me apraz e prosperará naquilo para que foi designada.” (Isaías 55: 11) Sabemos que não podemos pelejar sozinhos, o Senhor dos Exércitos peleja por nós, mas como Ele peleja? Usando sua palavra, que é arma de ataque e de defesa ao mesmo tempo, e quem usa esta arma não são anjos, não é Deus, somos nós, as armas são nossas, o poder é Dele.(2ª Corintios 10:4)
Marido e/ou mulher conhecendo a palavra e aplicando-a em sua vida, e consequentemente em seu casamento, podem ter impedido toda e qualquer atitude destruidora da vida conjugal, como por exemplo,  a infidelidade, como já falei anteriormente.
 Segundo o que o Espírito fala através de Paulo, se eu sou da mesma essência do meu cônjuge, por ser cabeça e corpo ao mesmo tempo, onde meu marido estiver eu estou e vice-versa. Sendo assim o marido ou a mulher só irá onde um ou outro quiser ir, onde seja um lugar adequado para o outro. Até porque somos um só. E a mulher é osso do osso do marido e carne da sua carne.  Esta verdade é algo espiritual, alguém pode dizer, mas nós somos em essência espírito. O corpo é a habitação daquilo que é maior, essência. Quanto a alma, que é a nossa vontade, nossa emoção, nossos sentimentos, está, também, em nível abaixo do que representa o espírito do homem,  e se nascemos de novo, somos comandados por nosso homem interior, que nada mais é do que o nosso espírito. Um cônjuge só colocará os pés onde o outro puder colocá-los, onde seu cônjuge puder ser honrado (a), e aonde Jesus puder ser glorificado. Pois somos da mesma essência dele porque somos seu corpo e ele nossa cabeça. O relacionamento marido e mulher, é a personificação de Cristo-igreja. Quando Paulo nos ensina essas verdades, pelo Espírito, não quer nos mostrar que o relacionamento conjugal é algo espiritual, dá para se ter alguma dúvida?  Veja o que ocorria com Jesus Cristo, aqui na terra, onde andava e pisava, ele glorificava o Pai. Jesus declarou na oração sacerdotal: “Ora todas as minhas coisas são tuas, e as tuas coisas são minhas; e, neles, eu sou glorificado.” (João 17: 10) Deus deseja que tudo o que ele criou o glorifique. Um relacionamento conjugal onde há adultério, infidelidade, desprezo, violência, abuso, mentira, engano, contenda, inimizade, porfia, insubmissão, e falta de amor, tudo o que possa gerar divórcio não o glorifica. E quando entendemos que estes binômios: cabeça-corpo/marido-esposa x cabeça-corpo/Cristo-igreja, tem íntima ligação, é real, e  é a mesma coisa, então saberemos como viver em vitória e vida plena. 
Se usarmos o poder que há nesta verdade, e orarmos esta palavra tomando posse de tudo o que Jesus conquistou na cruz pela igreja, logo por maridos e mulheres, pelo casamento, veremos que irá acontecer o que a palavra diz: “Se permanecerdes em mim e a minha palavra permanecer em vós, pedires o que quiserdes e vos será feito.” (João 15:16) Esta verdade não é figurada, é princípio espiritual para o êxito do relacionamento conjugal. 
Pode-se argumentar sobre o fato de que só a cabeça tem voz de comando, mas se cabeça e corpo são da mesma essência, o comando pode ser geral. Por outro lado, é bom lembrar, que, em se tratando do marido, a mulher pode reivindicar  no lugar do marido o comando de Cristo, que é o cabeça do marido, como diz Paulo,  aos Coríntios. 
Deus tem um desejo incontido de cumprir sua palavra, isso é notório. Assim, Ele se alegra quando seu povo entende o valor daquilo que Ele diz sobre cada item da nossa vida, a fim de que vivamos em triunfo. Foi isso que Paulo disse: “Graças a Deus que em Cristo somos sempre, conduzidos em triunfo e, por meio de nós, manifesta em todo o lugar a fragrância do seu conhecimento.” (2ª Coríntios 2:14) 
Em Cristo e na sua palavra temos a base para que tudo o que ele determinou e conquistou, aconteça.  Cristo é a própria palavra e é nele que está estabelecido todo o princípio de todas as coisas criadas: “Nele foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis...Tudo foi criado por ele por meio dele e para ele...Nele tudo  subsiste. “ (Colossenses 1: 16,17) Se tudo foi feito pra ele, as coisas visíveis e as invisíveis, o casamento está ai implícito, e se tudo subsiste nele, quer dizer está firmado na sua existência,  a existência de Jesus é plena, “Porque aprouve a Deus que nele residisse toda a plenitude.” (Colossenses 1: 19) Logo, tudo fica com as mesmas característica dele. 
Deus por boca do profeta Oseias diz que: “Meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento...” (Oséias 4:6 a) Nossa visão de Deus e de sua palavra é tão superficial que acabamos descrendo daquilo que dizemos acerca da palavra: que é nossa única regra de fé e prática. Sabe qual tem sido o problema da igreja, é que espiritualizamos umas coisas, e as analisamos à luz da Bíblia e outras são colocadas para que cada um as analise a seu bel prazer, ou seja cada caso é um caso.Como assim?
Sujeitemos todos os nossos interesses, relacionamentos, dúvidas, reflexões à luz da palavra de modo profundo e não à mídia, aos conceitos de filosofias, psicologia, sociologia antropologia. Necessitamos de conhecer Deus plenamente. A falta deste conhecimento tem nos levado a não vivermos em triunfo. E, é claro que este conhecimento, como disse antes, não pode ser superficial, por isso, temos que nadar nas águas profundas do rio de Deus para sermos frutíferos. São águas que nunca secarão e por onde elas passam, “...nasce toda a sorte de árvore que dá fruto para se comer; não fenecerá a sua folha, nem faltará o seu fruto;...produzirá novos frutos, porque as suas águas saem do santuário; o seu fruto servirá de alimento, e a sua folha de remédio.” (Ezequiel 47: 12) Somos tão superficiais que podemos achar que questões a respeito do casamento,  como  infidelidade conjugal nada tem a haver com esta questão levantada usando este texto de Ezequiel.  
Paulo sabia que este conhecimento era fundamental para que tudo na nossa vida fosse, exatamente, como Deus projetou que fosse. Assim, Paulo diz aos Coríntios que: “...faço menção de vós em minhas orações, para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de sabedoria e revelação no pleno conhecimento dele, iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes qual é a esperança do seu chamamento, qual  a riqueza da glória da sua herança nos santos e qual a suprema grandeza do seu poder para com os que cremos, segundo a eficácia da força do seu poder; o qual exerceu ele em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos...” (Efésios 1:16-20)
Pela palavra seremos lavados, purificados de toda impureza, de todo lixo dos ensinos teológicos contemporâneos que se baseiam no que é normal para a sociedade moderna, mas que encontram na palavra escriturística a palavra de condenação: Se alguém tirar qualquer coisa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, da cidade santa..." (Apoc.22:19). Portanto, precisamos rever os conceitos que temos ouvido, lido e entendido fora do que foi escrito e validado como palavra de Deus de Gênesis ao Apocalipse.


(continua na próxima postagem)



Denise Malafaia









As mais lidas da semana