sexta-feira, 19 de julho de 2013

Eu sou dono do meu nariz!











“Tu ordenastes os teus mandamentos para que o cumpramos à risca.” (Salmos 119:4)

Recomeçando minha leitura da Bíblia toda, o que já faço há algum tempo, e nada se compara com isso. Aliás, precisamos fazer isso se quisermos conhecer e ter mesmo intimidade com Deus. Sua visão sobre Deus vai se alargar, com certeza.
Então, lendo os livros da Lei, vemos Moisés passando as ordens que recebera de Deus para o povo, enquanto caminham pelo deserto. Ele começa a fazer isso desde o livro de Êxodo, com os dez mandamentos e repete em Levíticos dando mais informações. Continua a falar em Números entremeando com histórias empolgantes, e em Deuteronômio faz como se fosse um resumo da trajetória do povo e menciona algumas leis. Amplia a visão dessas leis para os mais jovens, para aqueles que entrariam na terra prometida, já que seus pais haviam morrido no deserto.
São muitas leis, são muitos detalhes. Porque é assim mesmo que se fazem as leis de um povo.
Usando de um método didático o da repetição, Moisés, a utiliza como estratégia para que o povo assimilasse tudo. Repetir, repetir, repetir. É claro que, na verdade esse era o método de Deus. Dizem, alguns, que isso é na verdade, uma lavagem cerebral. 
No entanto, esse é um método muito utilizado na educação, quando se fixa o conteúdo através de constantes exercícios. Alguém disse que é bom repetir um ensino até que aquilo se torne um hábito. O próprio Moisés declarou isso: “Estas palavras que hoje te ordeno estarão no teu coração, tu a inculcarás a  teus filhos, e delas falarás assentado e tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te...” (Deuteronômio 6:6,7)
Jesus mencionou sobre a nossa oração que, “não seria por muito falar que, seríamos  ouvidos”.  Ao contrário disso, Moisés tinha esperança que aquele povo ao ouvirem aquelas ordens repetidamente, as fixassem bem dentro de suas mentes e as aprendessem para depois não dizer que ele não disse.
Só que por mais que a tática fosse executada tão bem por Moisés e Arão também, aquele povo vivia tropeçando, no quesito obediência.
Moisés estava sempre lembrando que aquelas palavras não eram dele, mas do Senhor, por isso ele sempre, ou começava ou terminava seus ensinamentos declarando: Assim diz o Senhor...
Uma coisa que me chama a atenção,  eram os detalhes minuciosos de tudo que Deus mandava fazer.Como as medidas dos lugares, dos objetos, por exemplo, quando Deus dá a ordem para que ele erga o tabernáculo. Onde seriam exatamente colocadas cada peça, cada utensílio, como seriam feitos tudo o que comporia o tabernáculo: as cortinas, o véu, coberta, os tapetes, bacias, altar, arca, etc. As roupas dos sacerdotes, suas medidas, material a ser usado, como e quando usariam.  As especiarias, as medida que comporia o óleo da unção, o azeite do candelabro; a hora, o dia o ano para tudo que dizia respeito às festas, aos sacrifícios, às ofertas. Tudo sobre os animais que seriam trazidos para o sacrifício, para as ofertas. Muitas e muitas outras coisas, tudo detalhadamente.  
Além dos detalhes de cada item das leis, afinal de contas esta era a carta magna do povo de Deus. Leis que iam dirigir e fazer funcionar a nação de Israel. 
Isso é o normal, pois é assim que acontece em todas as nações ao fazerem suas constituições. 
Só que no caso de Israel, o que envolvia fazer as leis, ainda era mais séria, pois isso dizia respeito ao ato de adorar a Deus e viver como povo do Deus único e soberano, que não divide sua glória com ninguém. Por isso, tantos detalhes.Ele é perfeito!
A tônica era que todos os estatutos,  preceitos, mandamentos, item por item, deveriam ser seguidos  sem falhar em nenhum deles sequer. Nada poderia ser esquecido ou omitido, pois isso dependeria o relacionamento do povo com Deus. Ali não se tratava de uma constituição qualquer, mas da constituição na verdade, de um povo que tinha sido formado exclusivamente por Deus e para Deus. É algo muito grande para nossa pequena compreensão de meros mortais. Extrapola o nosso entendimento.
Deus, o criador dos céus e da Terra, havia criado um povo que era seu, particular. Pode parecer, então,  muito difícil ter assim esse compromisso de ser povo de Deus. Mal comparando é como dizer que alguém é o filho do presidente dos EUA, então esse filho tem que representar bem seu pai. Não pode fazer feio. Deu para entender?
Quando leio esta passagem fico pensando na dimensão desta responsabilidade. Eu disse que era mal comparando o exemplo anterior, porque é algo muito pequeno mesmo. O presidente dos EUA é um mortal como nós. Mesmo tendo muitos poderes, ele não tem todo o poder.
Parece difícil ter esta responsabilidade, mas vejamos o tamanho do Deus de quem somos povo! Dá para mensurar?
O povo de Israel não poderia deixar de cumprir nada do que estava escrito, isso pode parecer muito difícil, muita coisa para se obedecer, para se cumprir, mas quem estaria com eles? O mesmo que criou o céu e a Terra. 
Aquele que eles viram muito bem quando o mar vermelhos se abriu e eles passaram em seco, com as próprias águas servindo de muro de contenção para que elas não chegassem até eles. Ali, bem no meio do mar Deus havia feito uma estrada. 
Aquele que dava água para que eles bebessem onde as águas eram amargas e onde só haviam rochas secas. Onde os poços estavam secos e, na verdade, nem poço havia. Não só a água brotou, mas primeiro o poço, foi o que brotou, antes da água, mediante o ajuntamento do povo e os louvores que entoavam. 
Aquele que saciou a fome de carne com as codornizes que vieram com o vento que soprava do mar e encheram todo o arraial; e de pão com uma substância nunca vista antes no deserto, ou em qualquer outro lugar da terra e que viera do céu, literalmente. Sinais e milagres que teríamos que ficar aqui relembrando e escrevendo e escrevendo, páginas e mais páginas com todos os relatos destas maravilhas, que a gente pode encontrar lendo a Bíblia.
Para este seu povo exclusivo, Deus preparou coisas exclusivas. Coisas que só ele, o povo exclusivo de Deus, teria acesso. Porque a vida deles seria como a do seu criador, de maravilhas, vida de excelência. A condição era apenas uma: Obedecer à risca tudo o que Ele havia ordenado.
Fiquei meditando nesta palavra à medida que lia o texto que fala ordem por ordem, cada mandamento; os estatutos e preceitos. Fiquei pensando como na maioria das vezes queremos fazer as coisas do nosso modo. Então a gente argumenta com Deus, pondera e decide fazer de um jeito que é até parecido com o que Deus mandou, mas não foi, exatamente assim que Ele disse. Achamos que não é preciso ser tão radical. Não é que fosse algo errado. É até bom e, é até justo do ponto de vista ético. Então o que haveria de mau fazer?  Só não era o que Deus queria que fizéssemos. Não é assim mesmo? Nós, até aparentemente julgamos não ter problema nenhum, porque afinal de contas, não se tratava de cometer um “pecado”, pensamos, mas ordens de Deus não foram cumpridas á risca.
Tenho aprendido que Deus não desperdiçaria tempo para deixar registrado na Bíblia nada que não fosse importante. “Seus mandamentos trazem luz aos nossos olhos... são verdadeiros e justos.” Não podemos nos esquecer que ele é a própria sabedoria.
Lembro bem da história do rei Saul quando recebera uma ordem de Deus para guerrear contra um rei que era inimigo do povo de Israel. O Senhor lhe disse tudo que deveria  fazer nesta guerra. Mas ele só cumpriu parte da ordem recebida, porque achou que da maneira que ele faria daria melhores resultados para o seu reino. Seria tão bom, ele pensou, mas não era o que Deus o mandara fazer. Então ele foi rejeitado por Deus e seu reinado foi tirado da  sua descendência. Deus lhe fala pela boca de Samuel: “A desobediência é como o pecado de feitiçaria... Como você rejeitou a palavra do Senhor, ele também te rejeitou a ti, para que não sejas rei.” (1ª Samuel 15:23)
Todas as vezes que deixamos de cumprir as ordens de Deus estamos rejeitando a sua direção, isso é rebelião. Estamos dizendo que os planos de Deus não são tão bons quanto os meus. Digo com esta atitude que ele não é tão soberano assim, e sua palavra não tem valor...
Na verdade, quando deixamos de seguir à risca as ordens de Deus estamos desprezando o melhor de Deus para nós. Asafe declara isso em um dos seus salmos: “Ah! Se o meu povo me escutasse,
Se andasse nos meus caminhos? Eu te pronto lhe abateria o inimigo... eu o sustentaria com o trigo mais fino e com o mel da rocha eu o satisfaria.”(Salmos 81: 11,14, 16)
Como somos soberbos, e logo para com Deus! Quanta tolice, não é mesmo?
Quantas vezes perdemos o "pool" do melhor de Deus para nós. Da verdadeira felicidade. Só porque tomamos nas mãos ás rédeas do nosso presente e trocamos a benção do planos perfeitos de Deus para uma vida toda, rica e cheia de brilho, por uma migalha de vida cheia do nosso eu sei,eu quero, eu posso em mim mesmo. Quanta soberba!
"Se quiseres e me ouvires, comereis o melhor desta Terra." (Isaías 1:19)


Denise Malafaia Cerqueira 

As mais lidas da semana