quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

ISSO É SOBRENATURAL!

Isso é sobrenatural!

“E será que, antes que clamem, eu responderei; estando eles ainda falando, eu os ouvirei.” (Isaías 65:24)



Isso é que é rapidez! 
Você já teve a experiência de falar, ou pensar algo expressando seu desejo e, como num ato de mágica, aquilo acontecer? 
Alguns chamam isso de coincidência. 
Eu já ouvi pessoas contarem histórias de coisas semelhantes a isso. Alguém chega com alguma coisa para outra pessoa e ela diz: Até parece que você leu meu pensamento...
Você também já ouviu ou até já teve essa experiência consigo mesmo, não é?
É exatamente isso, que acontece quando cremos e buscamos o Deus Todo poderoso,  para aqueles que creem nele e esperam em sua palavra, no cumprimento dela, haja o que houver. Quando somos dependentes do seu agir diário em nossas vidas. Quando vivemos em intimidade com ele, o conhecemos e sabemos que, enquanto esperamos depois de crer que ele fará o que disse, a resposta que já estava a caminho, chega.
Isaías está profetizando sobre o que aconteceria quando Cristo viesse e estabelecesse aqui seu reino, a sua igreja, lugar onde o sobrenatural fluiria.
Já acontecia no velho testamento, mas no novo tempo, na nova aliança, na igreja, a visão sobre seu reino seria ampla. Nesse novo tempo seria bem diferente porque o poder seria dado a todo aquele que cresse em Jesus Cristo. Já não seria algo restrito, em que só alguns teriam o Espírito Santo, como fora nos velhos tempos. Um tempo em que só os patriarcas, sacerdotes, profetas, juízes e reis, tinham acesso a essa vida de poder e de plena intimidade com Deus. Todos dependiam da fé dessas pessoas para verem o sobrenatural. Deus só falava com eles. Até se manifestava, usava e atendia os outros, que não estavam no quadro desses escolhidos, dos ungidos. Imaginem, como era difícil manter a fé!
Então, vem Isaías e profetiza um novo tempo, um novo reino cheio de vida e da plenitude do Altíssimo. Esse novo tempo chegou através de Cristo. Agora então, podemos viver sempre numa nova dimensão, a do poder do Espírito de Deus, que é dado a todos que nasceram do alto.
Podemos entender esse novo tempo e a dimensão desse novo reino, por exemplo, quando tomamos conhecimento de como tudo começou:
João Batista, durante seu ministério, dava testemunho sobre o Messias, o Filho de Deus, aquele que seria enviado para salvar seu povo. Era costumeiramente argüido pelos sacerdotes e fariseus sobre quem ele era. Ao que sempre respondia que não era o Cristo. João dizia que ele era aquele enviado para preparar o caminho daquele que viria como Messias. Fico imaginando que, não só os sacerdotes e levitas,  os fariseus tinham essa curiosidade, mas todos os que o seguiam, ou os que viam o que João Batista realizava naqueles dias. Havia uma grande expectativa em torno da vinda  daquele,  que fora prometido desde a lei e os profetas, o Filho de Deus.
O povo estava em escuridão espiritual, estavam como ovelhas sem pastor. Por quatrocentos anos haviam ficado num tempo de incerteza, medo, sem esperança. Eram escravos dos romanos na sua própria terra. Ali eles eram governados com mão de ferro por seus algozes. Naquele longo período não havia profeta da parte de Deus. Ele havia silenciado. Os judeus, tinham que ficar com o que os sacerdotes, escribas e doutores da lei, os ensinava a respeito das escrituras, mas eles não era profetas.
Quanto tempo e nada de se cumprir a promessa da vinda daquele que viria para livrá-los. Quantos desfaleceram! Quantos se corromperam, porque ”não havendo profecia o povo se corrompe.”
Foi nesse tempo, em que já não havia mais esperança, que João Batista surge, fazendo e falando coisas surpreendentes, que faz ressurgir nos corações a fé de que a promessa se cumprira.
Agora, todos estavam atônitos, ante a possibilidade daquele seria O Cristo. O mesmo que fora de modo especial, anunciado pelo profeta Isaías, chamado de profeta messiânico.
É ele quem nos faz tal revelação, setecentos anos antes do advento do salvador: “Antes que vocês clamem, ele responderá; estando vocês ainda falando, ele ouvirá.”
Ali, nos dias de João essa profecia se cumpriu, não era ele, mas como ele mesmo disse: “...no meio de vocês, está quem vocês ainda não conhecem...de quem não sou digno de desatar as sandálias.” (João 1:26,27) Muitas daquelas pessoas, principalmente os seguidores de João, eram ainda jovens, eles estavam começando a saber mais a respeito do Cristo, através, justamente de João, o Batista, que veio como profeta depois de tanto tempo.
 Eles conheciam o que seus pais lhes falavam, e o que podiam ler nas escrituras. Posso imaginar que seus pais, os que ainda viviam, estavam entre aqueles que já haviam desistido de esperar pelo cumprimento literal dessa profecia: “Antes que vocês clamem, ele ouvirá; estando vocês ainda falando ele responderá.” 
Eis afinal, que aqueles jovens viram se cumprir tal profecia. No texto a seguir às palavras de João: “...no meio de vocês está quem não conheceis... 
No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele e disse: Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo!” Podemos ter a idéia, então, dos olhos surpresos daqueles seguidores de João. 
Eles ainda, não haviam clamado, assim como seus pais devem ter feito por tantos anos... 
Assim como os sacerdotes, os levitas. 
Eles estavam ali aprendendo com João a crer, a exercitar a fé no Cristo de Deus. João era profundo conhecedor das profecias de Isaías. Ele sabia que o dia se aproximava. Embora João fosse primo de Jesus, e quase da mesma idade, parece-nos que eles não viveram juntos, talvez só tenham estado juntos enquanto crianças. O texto de Lucas 2: 80, dá a idéia que eles cresceram separados um do outro. Mesmo que o conhecesse como seu primo, não o conhecia como o Cristo, pois seu ministério não havia começado. 
O que João sabia a respeito do Filho de Deus, o sabia, porque tinha intimidade com Deus e suas escrituras. Quando ele declara que O Cristo estava entre eles, no dia anterior à sua aparição, estava se cumprindo que, “antes que eles clamassem”, como sem mais agüentar àquela espera, assim como os mais velhos fizeram por tantos anos, eis que surge Jesus, o Cristo. Ele veio como resposta aos anseios do povo que estava em trevas; estando João ainda falando, respondendo as muitas indagações, sem saber que enquanto ele falava, o Messias estava bem ali e  ouvia a João e aos que perguntavam por ele, pelo Cristo.
Deus sabe o que precisamos antes que digamos para ele. Ele é o dono da história, ele não era, só para aqueles que viviam nos dias de João Batista. 
Então alguém pergunta: Se ele já sabe, por que precisamos lhe dizer o que precisamos e pedir-lhe alguma coisa? Porque Deus quer que tomemos posições de fé. Ele quer saber se realmente queremos depender dele. Até que ponto O consideramos capaz de fazer algo por nós, se queremos que ele participe de nossa vida, e se confiamos a ele o nosso presente e o nosso futuro.
O que João Batista sabia sobre o Messias era o mesmo que os sacerdotes, levitas e doutores da lei sabiam, ele o esperava como todos os outros. A diferença nítida era que João Batista vivia uma vida de intimidade com o seu Deus é a maneira como ele falava a respeito daquele que viria como o Messias, que nos dá a certeza disso: “Todos nós temos recebido da sua plenitude e graça sobre graça... a graça e a verdade vieram por meio de Jesus... ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou.”
Só aqueles que vivem com Deus nessa tal intimidade que teve João Batista, a respeito de quem Jesus disse que entre os nascidos de mulher ninguém foi maior do que ele, podem ver cumprida todas as promessas que ele fez, mesmo que alguns a tenham por demorada.
 Vale recordar que, diferentemente daqueles que ouviam João falando do Cristo que viria, mesmo já estando ali, a nossa fé está no passado, sim, lá na cruz.
Onde tudo foi consumado, aleluia!
Por isso, posso crer que o que aconteceu ali, enquanto João falava e a resposta já havia chegado sem que eles a vissem, mas estava ali, bem perto, assim é conosco.
Deus opera numa dimensão sobrenatural é onde ele está e onde nos leva quando simplesmente cremos que a sua palavra se cumprirá.
Eu creio que antes que eu clamasse, tudo o que tenho colocado diante dele, ele já havia me respondido, e estando eu ainda falando ele já me ouviu.
A minha resposta tem um nome Jesus, O Cristo, ele já veio trazendo todas as minhas respostas.


 Denise Malafaia






As mais lidas da semana