segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Verdadeiro ou Mentiroso?


“Seja Deus verdadeiro e todo o homem, mentiroso...” (Romanos 3:4)

Como temos a tendência de descrer do que Deus diz!

Fico pensando nas vezes em que ficamos pedindo ao Senhor para testificar uma promessa que tenha nos feito.

Vale apena recordar que Deus tem dois tipos de palavra para dar à sua igreja: Uma que é geral, diz respeito a todos os seus filhos, que no grego é logos; lançando mão ainda da língua grega, a outra, que é específica, aquela que Deus fala a seu filho, a mim e a você particularmente, individualmente, conhecida como rhema.

Quando não conhecemos o que Deus nos fala na sua palavra, há uma desculpa, se é que podemos dar  desculpas. O que o povo de Deus precisa é conhecer a Deus e tudo o que Ele disse. Muitos têm conhecido, mas continuam a andar na incerteza do que tal palavra significa. Porque têm tido dificuldades para crer ou para se manter nessa fé.

No episódio da ressurreição de Lázaro essa foi a questão: a dúvida. Em muitas ocasiões, não é fácil crer e se manter nessa posição. Isso é real, mas quando quem está falando tem as credenciais confiáveis como Jesus, o que justifica a dúvida? Jesus estava acostumado a operar o sobrenatural, e todos os seus discípulos acostumados a verem seus milagres, inclusive as irmãs de Lázaro, nada justificava esta dúvida.

Quanto a nós, porque duvidamos? Se não confiamos nele e na sua palavra e de que cumprirá o que tem prometido, o tratamos como se ele fosse mentiroso.

Assim foi quando tudo começou na história incrível de Lázaro. Jesus recebeu a notícia de que seu amigo estava doente. Ele disse: “Esta enfermidade não é para a morte, e sim para a glória de Deus...” (Jo. 11:4) Então Lázaro morreu, mas Jesus disse que aquela doença não era pra a morte, lembram? A caminho da casa de Marta e Maria, ele reforça a sua palavra: “...Nosso amigo Lázaro adormeceu, mas vou lá para despertá-lo.” (vers11)

Fico me perguntando: Quantas vezes Deus tem que falar algo para que creiamos que ele é verdadeiro, que só fala a verdade?  Ele não nos dá falsas esperanças, ”... porque o Deus que não pode mentir prometeu” (Tito 1:2).

Ele continua a falar e os discípulos não entendem o que Jesus estava dizendo e Jesus esclarece, ele morreu e, reforça sobre o que irá fazer com Lázaro dizendo: “Vamos ter com ele...” Se Ele diz,“vamos ter com ele”, Jesus não parecia estar dizendo que iam para o sepultamento. Ninguém vai ter com um morto, vai ter com os familiares, com os amigos do morto, mas não com o morto. Chegando lá, Marta o encontra e diz que seu irmão não teria morrido se ele estivesse lá, então Jesus revela para ela o que já havia dito aos seus doze discípulos: “Teu irmão há de ressurgir.”

O Senhor reafirma o que fará, lembrando a Marta quem ele é: a ressurreição e a vida, nem sua forte resposta o coloca acima de qualquer suspeita, pois mais uma vez a contra resposta, denuncia a incredulidade daquela discípula de Jesus.

No desenrolar do episódio chega Maria, que faz a mesma observação de Marta. Depois mais outros falam a mesma coisa, numa dose dupla de descrença. 

Na seqüência de tanta demonstração de incredulidade, o texto nos diz que Jesus agitou-se, e mais do que isso, perturbou-se, comoveu-se e por fim chorou. Alguns dizem que Jesus chorou por estar seu querido amigo morto, mas se isso fosse verdadeiro, ele também estaria declarando que não cria que Lázaro ressuscitaria. Ele pode até ter chorado para chorar com os que choram, mas eu acredito que o que mais levou Jesus a chorar foi por constatar que seus discípulos não davam crédito à sua palavra. Afinal de contas com aquela atitude eles mais pareciam estar chamando Jesus de mentiroso. O que mais pode perturbar um mestre senão o fato de ver que seus alunos nada aprenderam com ele e de que não acreditam nos seus ensinos? E olha que, “Jesus falava não como os escribas, mas como quem tem autoridade”, afinal ele era a verdade.
Queridos, o mundo só conhecerá o nosso Deus como verdade, e crerá nele como aquele que cumpre a sua palavra haja o que houver, se nós crermos nessa verdade.

Nossa fé e permanência nela,  fará toda a diferença para que outros creiam que ele é verdadeiro e que sua palavra é exatamente como ele é.

Quando ficamos a usar a teologia de um Deus distante e que não se manifesta mais sobrenaturalmente, nós estamos declarando o contrário da Palavra e, nos fazemos verdadeiros e Ele mentiroso.

Então, não importa o que está acontecendo. Não importam os sinais contrários que estamos vendo. Pode até parecer que não tem mais jeito para mim ou para tal e tal situação que estou vivendo; não vou suportar essa adversidade; vou morrer, vai acabar...

Quando Deus nos promete algo, quando recebemos a palavra específica rhema e ele diz como disse aos discípulos,  a Marta e a Maria, no episódio da morte de Lázaro: “Só está dormindo, vamos lá acordá-lo....se creres verás a glória de Deus...ele vai ressuscitar”

O que está morto na nossa vida e o que já cheira mal, mesmo já sendo o quarto dia de sepultamento? O Senhor, que é verdade absoluta, que é, e dá vida, que age na nossa total impossibilidade, é Ele quem está falando: “Ele vai ressurgir...” é porque vai acontecer como ele está dizendo, então mantenha a sua fé naquilo que Ele está dizendo.

Não importa se ao olharmos à nossa volta, constatamos com os olhos físicos de que aquilo ou aquela pessoa,  está acabada, morta e já cheira mal. Mesmo que todos estejam dizendo a mesma coisa: Acabou, não tem mais jeito, não há mais chance, não há mais esperança... Então, é hora de lembrarmos que Deus e sua palavra são verdadeiros e, todo e qualquer homem que disser algo diferente do que Deus está dizendo é mentiroso.  

Pode até ser difícil se manter crendo após algo ou alguém estar morto, mas não podemos nos esquecer da obra completa de Cristo, desde a cruz até a sua glorificação a direita do Pai. Se você crê que isto aconteceu de fato e de verdade, então não tem como descrer, mesmo ante a morte que parece ser o fim.

Sim, Ele, Jesus, já venceu este inimigo, a morte, por nós. Por isso, a chave da casa da morte está em Suas mãos invencíveis,  verdade ou mentira, pelo menos é o que está escrito, no que você decide crer?

Denise Malafaia Cerqueira

As mais lidas da semana