sábado, 6 de junho de 2015

EU...? EU VOU CORRER COM OS CAVALOS!

“Se te fatigas correndo com homens que vão a pé, como poderás competir com os que vão a cavalo...?” (Jeremias 12:5)




Os cavalos são sempre relacionados à força e agilidade. Na bíblia algumas vezes, encontramos referências da força deles e rapidez, mas outras encontramos exatamente o oposto. Até encontramos comparações que desmerecem essas suas qualificações, em relação a outros animais. Sabemos, no entanto, que quando não havia veículo automotivo, era o cavalo a base do deslocamento dos soldados na guerra pelos exércitos. Até hoje ainda temos nos exércitos o pelotão de cavalaria, por causa de sua grande utilidade. Os soldados montados a cavalo, são imprenscindíveis, pois existem lugares em  que carros motorizados não chegam. Sem contar que eles não dependem de combustível. Interessante que quando foram criados os motores desses mesmos carros, deram à força deles, em número de cavalos. Assim, determinado tipo de veículo motorizado tem uma determinada quantia de cavalos, quanto maior sua força mais cavalos. Então, chegamos à conclusão que, quem não tiver um veículo motorizado, mas tiver um cavalo pode estar em vantagem, pelo menos com quem estiver a pé, e dependendo do lugar e do veículo, até em relação a esses mesmos.

O profeta Jeremias estava aqui recebendo uma palavra de advertência do Senhor diante de seu sentimento de que estava só numa geração corrompida e perversa. Deus havia lhe dado a missão de profeta, mas muitas vezes ele apascentou o povo, porque estavam perdidos.

Aquele era um tempo muito difícil. Os fundamentos da fé, daquela nação, que se chamava pelo nome de Deus, havia desmoronado. Ele, Jeremias, era uma bendita exceção. Por isso Deus o havia levantado.

Jerusalém, a cidade santa, estava sitiada por inimigos que a haviam tomado, por causa dos pecados daquele povo, fazia parte da vontade permissiva de Deus. Jeremias se sentia inútil. O povo estava embriagado nos seus pecados e não os podia ver. Não só o povo em si, mas seus líderes, reis e sacerdotes, viviam sem compromisso com o seu Deus e não davam a mínima para as profecias de Jeremias. Pelo contrário, até o perseguia de maneira implacável.

O profeta era um intercessor inveterado. Homem íntegro, obediente, que buscava a Deus de coração sincero e humilde. Um desses homens raros, em tempos de crise e de  escassez, até de líderes com os quais Deus pudesse contar. Um profeta com vida de excelência. Um servo incansável no cumprimento da missão que recebera.
Só que nada mudava na vida daquele povo de coração endurecido. Eles queriam era ouvir falsos profetas e se indispunham quando Jeremias denunciava as mentiras e enganos desses profetas que Deus não mandara. Profetas que viviam a falar palavras que massageava o ego das autoridades e do povo. Como temos vivido um tempo assim hoje! Tempos em que parece que todos são abençoados,  independente da vida que levam entre a desonra ao nome de Deus e o prazer do pecado. “Profetas” que alisam o ego do seu público para terem ibope com uma mensagem triunfalista, em que os que não obedecem a Deus e vivem da maneira que escolheram viver, em detrimento da mensagem única da palavra de Deus, que mostra a benção  intimamente ligada a não transgressão da vontade soberana do Senhor, por isso o temem.

Deus fala com o profeta Jeremias, após suas queixas sobre a inutilidade do que estava fazendo,  porque o povo se afastava cada vez mais do Senhor, independente do que ele falava. Enquanto isso, sua vida estava sofrendo sérios riscos. Ele fala ao Senhor que não dava para continuar sendo complacente com aquele povo. Ele não poderia fazer nada se os perversos continuassem a prosperar no seu caminho, como se nada tivesse acontecendo. Assim seu trabalho seria em vão. Jeremias mostrava-se cansado de trabalhar com aquela gente cabeça dura. É ai, exatamente neste momento, que Deus lhe faz esta advertência cuidadosa: “Se te fatigas correndo com homens que vão a pé, como poderás competir com os que vão a cavalo...?” Deus toca o coração de Jeremias, que muda sua intercessão e seu pensamento de desistência da missão, mas não o povo.
Assim, muitas vezes tem acontecido conosco. Cansamos - nos de interceder pelos outros. Cansamos - nos de amar as pessoas que Deus colocou em nossa vida. Desistimos da nossa família, porque desistimos de cumprir nossa tarefa de esposa, marido, mãe, pai, filho, irmão. Desistimos da igreja de Cristo, porque desistimos de seguir a Cristo da maneira como ele diz que temos que fazer; desistimos, inclusive, do ministério que um dia tínhamos toda certeza que Deus nos chamou, para realizar.

É muito difícil seguir a Jesus e renunciar a tudo. Porque achamos que não adianta investir nosso tempo nas coisas que não trazem retorno em benefício próprio.

Já ouvi pessoas dizerem que se cansou de serem certos ou bons, porque todos são tão maus. Paulo vem como boca de Deus em nos encoraja: “Não nos cansemos de fazer o bem porque a seu tempo colheremos se não tivermos desfalecidos.” (Galátas 6: 9)

Às vezes, desistimos porque parece que não vamos conseguir cumprir o chamado que recebemos por parte de Deus... mas, não nos esqueçamos que, se retrocedermos Deus não terá prazer em nós.

Quantos têm cansado de serem filhos - servos de Deus. Esses estão a pé... Sim, porque há uma grande diferença em ser apenas filho de Deus. Você pode estar se perguntando, ser filho de Deus é pouco? Não, mas não encerra tudo para o qual o Senhor nos chamou. Porque quando fomos salvos, não fomos salvos para ficarmos acomodados à situação de filho, que acha que porque tudo é dele não precisa fazer mais nada, foi aqui que muitos se desviaram. Afinal de contas sou filho do dono. Deus não é permissivo. Ele não tem filhinhos de papai. Filhos que só pensam em ter, em receber. Que não estão nem ai para manter as coisas que são do Pai, que ele conquistou com trabalho. Jesus, o filho mais velho, o legítimo, disse certa vez: “Meu Pai trabalha até hoje e eu trabalho também.” Os filhos adotivos querem moleza, querem viver sem compromisso, sem zelo com as coisas do Pai. Esse não foi o caso de Jeremias, mas foi o caso do povo, que eram os filhos de Deus no velho testamento. Filhos rebeldes, cheios de soberba entre as nações, e esta precede à queda, já sabemos. Filhos cheios de manias de filho super mimados, ou filhos que são criados por avós.

Jeremias pode ser visto como a figura de Jesus, aquele que sofreu pelo povo e estava com risco eminente de morte, porque era fiel à sua missão de salvá-lo. Jesus, que indagou ao Pai, se ele não poderia passar dele o cálice amargo que ele deveria beber com a sua morte na cruz. Era como se ele estivesse dizendo como Jeremias: “Eu era como manso cordeiro, que é levado ao matadouro... Arranca-os como as ovelhas para o matadouro e destina-os para o dia da matança.” (Jeremias11:19 e 12:3)

O profeta Jeremias, assim, como Jesus não desistiu. Até mesmo diante da ordem de Deus para que ele não se casasse. Ele renunciou a tudo, até à sua própria “felicidade de homem”. Nunca constituiu família. O povo chamado de Deus reivindica uma felicidade a qualquer preço, mesmo ao preço de contrariar a vontade daquele que chama de Pai.

Como Jesus, Jeremias, se manteve obediente ao chamado e envio do Pai. Homens como Jeremias correm com os cavalos...

Deus nos salvou e nos deu nossa filiação sim, mas temos que ser filhos-servos. Ele precisa que seus filhos trabalhem obedientemente para que outros possam conhecê-lo, e à sua palavra. Fazer o Pai conhecido é a nossa missão, assim como foi a missão de Jeremias e a de Jesus. Filho obedece e servo também, nem um nem outro pode desobedecer ou, sofre as conseqüências da desobediência.

Diante de tudo isso, parece que ouço Deus dizendo para aqueles que querem desistir assim como Jeremias: Você irá recuar da competição diante dos obstáculos? Vai desistir quando descobrir que há muito mais a se fazer do que estar confortavelmente sentado à noite em seu sofá, assistindo os noticiários mostrando o caos do mundo e você numa boa?

Vai sair fora da  missão que recebeu porque você precisa ser feliz e, afinal de conta, você pensa que pode servir ao Senhor de qualquer jeito. Você decidiu que não vai perder tempo com pessoas com as quais não tem satisfação; porque como as coisas vão, não dá para ser alguém realizado? Parece que estou ouvindo Deus falar como falou a Jeremias: Você vai decidir entre ser cuidadoso com seus interesses, a proteger sua vida, ou corajoso para cumprir o que eu te mandei fazer até o fim? Eu tenho a impressão que Deus continua a dizer: Como alguém inteligente desiste do melhor? Eu preparei para os que não desistem, uma vida muito mais excelente. Sua desistência não será apenas uma desistência, mas desobediência,  e  toda a desobediência tem um custo muito maior no fim de tudo, não se esqueça meu filho!

Então, o que você vai decidir: Vai desistir do chamado e do que Deus preparou pra você, ou vai correr com os que vão  a cavalo e perseguir o ideal de viver uma vida de excelência para a glória de Deus?


Denise Malafaia 



As mais lidas da semana