quinta-feira, 4 de junho de 2015

METANÓIA!

“E não vos conformeis com este mundo...” (Romanos 12: 2)





Observando a trajetória do homem e da mulher, sabemos, não só pelo que a Bíblia diz, mas pelo que vemos, desde que o pecado entrou na natureza humana, ambos perderam a identidade com Deus, ficaram vulneráveis aos reveses da queda, e adoeceram. Não somente a vida humana adoeceu, mas como diz Paulo: “Porque sabemos que toda a criação, a um tempo, geme e suporta angústias até agora.” (Romanos 8:22)
Tudo ficou doente por aqui...
Quando Jesus veio, e fez acontecer os propósitos de Deus de resgatar a identidade do homem e da mulher para que este se parecesse com Ele, e leva-lo de volta para o Pai, deu forma à igreja, como Seu corpo.
Os papéis originais para os quais homem e mulher foram criados, na verdade se perderam em sua essência. O tempo foi passando e o que aconteceu? Será que temos consciência destes papéis, do ponto de vista do que Deus planejou, ou ficamos com os conceitos que surgiram com as culturas das diversas sociedades?
“Fomos transportados do império das trevas para o reino do Filho do amor do Pai.”  Agora somos do reino de Deus, que tem as leis próprias desse reino, que precisam ser cumpridas. A vontade do Rei desse reino está relatada na Palavra que foi escrita, e que nos fala dos planos de Deus. Esta é a única verdade que deveria prevalecer para homens e mulheres na vida da igreja. Esta verdade é absoluta e não pode ser trocada pela verdade que muda de acordo com tempos, povos, costumes e cultura.
          Há uma inversão de valores, que comprometem o exercício diário dessas verdades absolutas, pelas relativas verdades. Como se fosse algo inofensivo, coisas que, se não vivenciadas, aparentemente, não trarão grandes problemas, é o que pensamos...
Na sociedade natural, estas verdades não fazem diferença, pois ela não sabe distingui-las.
Nossas atitudes como igreja, não podem ser alteradas por conta do que é estabelecido no sistema do mundo, que é o império das trevas de onde fomos tirados, quando cremos e recebemos o Senhor desse novo reino, dirigido por Satanás.
Para a sociedade cristã, no entanto, no caso da igreja, as coisas mudam de figura. Passam a ter o sentido exato. Deus nos fala através de Salomão que: “Porquanto há uma hora certa de agir, e também uma maneira certa de agir para cada situação; porquanto é grande o sofrimento que pesa sobre o homem.” (Eclesiastes: 8:6). Sendo assim, há uma maneira certa para agir. E quando não agimos dentro dessa maneira, as consequências são inevitáveis. Nós a conhecemos lendo a palavra, que é o único manual fidedigno para a igreja. 
Desde a queda do homem, várias coisas têm se perdido neste universo da vida que foi nos dada como presente de Deus. A igreja entrou no meio da roda viva do “isso é assim mesmo”. Acontecimentos que trouxeram uma nova visão para o povo, chamado povo de Deus: a visão do sistema mundial. Foi aí que a igreja começou a caminhar no secularismo, quando o comportamento passou a ser norteado pelas ideologias, pela filosofia, bem como, nos últimos séculos pela mídia. Ficamos parecidos com o mundo. Deixamos de ser e de viver segundo o que Deus determinou.
Fomos feitos à semelhança de Cristo. Ele é a nossa identidade.
Assim como somos identificados com Cristo, fomos feitos para o mesmo propósito e recebemos a mesma missão dEle. (Isaías 61: 1-4)
Nos perdemos dentro da chamada “igreja”, por conta do secularismo. O mundo entrou dentro de nós. Perdemos a visão de Deus e do Seu reino e da Sua vontade.
        Não conhecemos Deus e nem o que Ele fez por nós: “Errais não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus”, Jesus disse certa vez.
Vivemos dentro da igreja de um sistema religioso viciado, mas a igreja que Deus planejou não vive dentro de nós. Então, isso significa que entramos numa forma errada. Essa não é a forma de Deus, então, de quem será essa forma? A igreja precisa voltar ao princípio, voltar à forma original.
O Espírito falou, pela boca do profeta Daniel, algo tremendo: “Aos violadores da aliança ele perverterá, mas o povo que conhece seu Deus se tornará forte e ativo.” (Daniel 11:12) Muitas vezes mencionamos o lado negativo do conhecer Deus, dos registros de Oséias: “O meu povo está sendo destruído porque lhe falta conhecimento...”. (Oséias 4:6) Tanto em Daniel como em Oséias o vocábulo conhecimento tem o mesmo significado, mas em Oséias ele aparece ligado à destruição, aponta o resultado negativo. Prefiro mencionar o que ocorrerá se eu tiver esse conhecimento positivo. Sabe o que isso quer dizer? O conhecimento de Deus é algo que age positivamente. Viveremos vida saudável. Precisamos abrir nossos olhos para o que é a realidade da Palavra de Deus e o que temos vivido como realidade.
Ao contrário do que era para ser, vemos homens e mulheres, famílias inteiras doentes, feridas, destroçadas, mesmo vivendo dentro da igreja. Pessoas que não se sentem felizes, completas... Quantos têm vivido de aparência, vivendo um evangelho sem poder, que até parece inútil... Como, se o evangelho é o poder de Deus para todo aquele que crê? Em quem está o defeito, a culpa...? O que aconteceu conosco?
Estamos doentes. Este é o tempo de cura para a igreja de Cristo, onde tanto mulheres, como homens, independentes de idade e estado civil, precisam de restauração. do renovo que vem pela cura que encontramos apenas na palavra de Deus. Precisamos conhecê-la como revelação, na nossa intimidade.
        É tudo tão simples no plano de Deus para que mulher e homem sejam felizes. Amados, não depende de ter, mas de ser. Não temos apenas Cristo, mas somos, de alguma maneira, Cristo. Daí sermos chamados de cristãos. Somos membros do corpo de Cristo. Sabe o que isso significa? Está tudo à nossa disposição. Ele já fez tudo o que era preciso para que nós pudéssemos ser livres, curados e salvos, e felizes, aleluia!
Como podemos fazer do corpo de Cristo um corpo adoecido, ferido, fragmentado, dilacerado? “Por que continuar a ser castigados? Por que insistirem na revolta? A cabeça toda está ferida, todo o coração está sofrendo. Da sola do pé ao alto da cabeça não há nada são; somente machucados e vergões e ferimentos abertos, que não foram limpos, nem enfaixados, nem tratados com azeite.” (Isaías 1:5,6)
 Como continuamos doentes se temos a cura para as nações?
Não podemos continuar a nos conformar com as coisas como estão: tudo fora do lugar.
A desobediência trouxe a desordem à Terra, e ambas trouxeram a morte.
A ordem de Deus pela boca de Paulo é: Não se conformem, mas se transformem!
 Este é o tempo de mudanças radicais, de obediência, é tempo de tempo de cura, de renovo para a igreja de Cristo, para mulheres e homens.
É tempo de nos adornarmos para a chegada do noivo.



              Denise Malafaia    (Texto extraído do livro: Tal Mãe, Tal Filha de Sara, de minha autoria)



As mais lidas da semana